Polos de ensino superior a distância crescem 133% em um ano

Em pouco mais de um ano, o total de polos de ensino superior a distância subiu de 6.583 para 15.394, segundo dados do Ministério da Educação (MEC). A alta de 133% resulta de um decreto que diminuiu as exigências para a oferta da modalidade. Entre as mudanças estão a autonomia para que as instituições criem seus polos -antes era preciso visita prévia de técnicos do ministério- e o credenciamento de instituições na modalidade EaD sem a exigência da oferta simultânea de cursos presenciais.

O objetivo é ampliar a matrícula de ensino superior no país para atingir a Meta 12 do Plano Nacional de Educação, que prevê elevar a taxa bruta de matrícula nessa faixa para 50% da população de 18 a 24 anos até 2024. Em 2017, só 23,8% dos jovens entre 18 e 24 anos cursavam faculdade, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad).

De acordo com o Censo da Educação Superior realizado em 2016 pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), há no país 1,5 milhão de estudantes matriculados em cursos superiores a distância, um crescimento de 50% em seis anos.

MEC condiciona a criação de polos ao cumprimento de parâmetros de qualidade e estabelece uma quantidade limite a partir do Conceito Institucional, indicador obtido após técnicos do ministério avaliarem in loco as instalações da sede da instituição. Quanto maior o conceito, mais polos podem ser criados.